SOBRE     |     FALE CONOSCO

POLÍTICA

STF retira de Moro trechos das delações da Odebrecht contra Lula

Caso se refere ao processo do sítio de Atibaia, que será analisado na Justiça Federal em São Paulo

POSTADO EM 25/04/2018 07:59:00 POR: VNOTÍCIA

A Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu ontem (24) retirar do comando do juiz federal Sérgio Moro trechos da delação da Odebrecht contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

 

Por 3 votos a 2 os ministros derrubaram a decisão individual do ministro Edson Fachin, que determinou o envio de acusações de delatores da Odebrecht contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para a 13ª Vara Federal em Curitiba.

 

De acordo com os delatores, entre eles Marcelo e Emílio Odebrecht, a empreiteira teria custeado despesas pessoais de Lula, como reformas em um sítio frequentado por sua família em Atibaia (SP), a compra do terreno para instalação do Instituto Lula em São Paulo e pagamentos por palestras realizadas pelo ex-presidente em eventos organizados pela empreiteira no exterior.

 

A maioria foi formada seguindo o voto divergente do ministro Dias Toffoli. A Turma entendeu que as acusações contra Lula não têm relação com os desvios de recursos na Petrobras, cujo relator é o juiz Sérgio Moro.  Dessa forma, o processo deve ser enviado para a Justiça Federal em São Paulo, onde os supostos crimes ocorreram. Ricardo Lewandowski e Gilmar Mendes seguiram o voto de Toffoli. Edson Fachin e Celso de Mello não conheceram o recurso.

 

Na decisão, após pedido da Procuradoria-Geral da República (PGR), Fachin desmembrou parte dos depoimentos de delação de executivos da empreiteira Odebrecht e enviou os fatos para Justiça Federal em Curitiba. No entanto, a defesa de Lula discordou da decisão, e o recurso foi julgado na sessão do colegiado.

 

Defesa

 

Em nota, a defesa de Lula disse que a decisão da Segunda Turma reforça o entendimento que sempre foi sustentado pelos advogados. Segundo Cristiano Zanin, o juiz Sérgio Moro não é competente para julgar as acusações.

 

“Não há qualquer elemento concreto que possa justificar a competência da 13ª Vara Federal Criminal de Curitiba nos processos envolvendo o ex-presidente. Entendemos que essa decisão da Suprema Corte faz cessar de uma vez por todas o juízo de exceção criado para Lula em Curitiba, impondo a remessa das ações que lá tramitam para São Paulo”, afirmou Zanin.

 

Fonte: Ag. Brasil

 

Leia mais em POLÍTICA